sábado, 16 de abril de 2011

Víbora do Gabão
Bitis gabonica

Localização geográfica
  • Existem ao longo da cintura equatorial de África, África oriental e central, sudeste de África.
Aspecto
  • A Víbora do Gabão é a maior víbora de África. Atinge comprimentos de até 1,8 metros e pesos superiores a 20 kg em alguns casos.
  • Cabeça triangular grande que afunila num pescoço estreito.
  • Possui algo semelhante a um par de “chifres” entre as narinas erguidas.
  • Possui uma muito característica faixa castanha sobre a cabeça pálida.
  • O corpo é pálido, com marcas castanhas, beges e amarelas, o que lhe proporciona excelente camuflagem.
Veneno
  • Citotóxico: destrói as células. É injectado em grandes quantidades devido ao tamanho das glândulas que segregam o veneno e ao comprimento das presas.
  • Injecta o veneno a grande profundidade na ferida que provoca.

Mordedura
  • Dois orifícios no local da mordedura.

Ciclo de vida
  • São vivíparas, ou seja, parem as crias directamente, neste caso às 30 de cada vez.
  • O período de gestação demora cerca de 7 meses.
  • As víboras do gabão recém-nascidas têm cerca de 30 cm de comprimento.
Hábitos
  • Os habitats preferidos são as florestas de chuvas tropicais e bosques nas orlas destas florestas.
  • Maioritariamente nocturnas.
  • Cobras extremamente dóceis e solitárias.
  • A dieta consiste principalmente de aves e mamíferos, mas também comem insectos e roedores.
  • Costumam apanhar as suas presas em emboscas, em vez de as caçarem de forma activa.
  • Não costumam atacar se não forem seriamente provocadas.
Cobra cuspideira
Hemachatus hemachatus
Localização geográfica
  • Encontra-se principalmente na zona do sul e sudoeste do Cabo, Estado Livre de Orange, Lesotho, Transkei, Kwazulu Natal, Suazilândia e no sudeste do Transvaal. Também já foram encontrados alguns espécimes nas fronteiras do Zimbabwe e de Moçambique.

Aspecto
  • As cores variam normalmente entre o castanho e o preto-acastanhado no topo, com manchas/bandas irregulares em castanho mais claro e brancos-acastanhados.
  • Parte inferior escura e duas faixas mais claras à volta do pescoço, muito características.
  • Os adultos atingem 90 a 120 cm em média, mas já se viram espécimes com 150 cm de comprimento.
  • A cobra-cuspideira consegue “cuspir” o seu veneno e atingir vítimas até 2,5 m de si.
  • Cabeça curta e aguçada, com grandes olhos pretos.
Veneno
  • O veneno é neurotóxico.
  • A cobra-cuspideira costuma apontar à face da vítima e o veneno causa dores horríveis e possível cegueira se entrar em contacto com os olhos.
Mordedura
  • Inchaço à volta da ferida.
  • Hematoma em muitos casos.
Ciclo de vida
  • Ao contrário de muitas outras cobras, as cobras-cuspideiras são vivíparas, ou seja, parem crias vivas.
  • As crias têm em média 15 a 18 cm de comprimento à nascença.
  • As cobras-cuspideiras geram entre 20 a 30 crias de cada vez.
  • As crias perdem a primeira pele na primeira hora após o nascimento.
  • As cobras-cuspideiras recém-nascidas têm já as mesmas cores e bandas à volta do pescoço características da espécie. Também já são capazes de se erguer, recuar e cuspir o veneno.
Hábitos
  • Preferem viver em pradarias e adaptam-se bem às condições de vida tanto ao nível do mar como a grande altitude.
  • Nocturnas, mas sabe-se que gostam de apanhar sol durante o dia.
  • A dieta consiste principalmente em sapos. Em caso de escassez de sapos, caçam pequenos mamíferos, répteis e outros anfíbios.
  • Quando encurralada, a cobra-cuspideira tem uma capacidade extraordinária de se fingir de morta: deixa-se cair sobre as costas, fica totalmente mole, de boca aberta e língua de fora!


Nenhum comentário:

Postar um comentário